domingo, 1 de abril de 2012

Francisco Rodrigues Lobo

Não era de Santarém esse grande poeta seiscentista que Santarém visitava amiudadas vezes e em Santarém veio a falecer, nas águas do Tejo, quando ao atravessar o rio, numa altura de "cheia", naufragou a barca em que seguia, em 24 de Novembro de 1621.
Ao Tejo, que havia de ser a sua sepultura, dedicou ele um dos mais belos sonetos da literatura portuguesa:

Formoso Tejo meu, quão diferente,
Te vejo e vi, me vês agora e viste:
Turvo te vejo a ti, tu a mim triste,
Claro te vi eu já, tu a mim contente.

A ti foi-te trocando a grossa enchente
A quem teu largo campo não resiste;
A mim trocou-me a vista em que consiste
O meu viver contente e descontente!

Já que somos no mal participantes
Sejamo-lo no bem. Oh quem me dera
Que fôssemos em tudo semelhantes!

Lá virá então a fresca primavera,
Tu tornarás a ser quem eras d'antes:
Eu não sei se serei quem d'antes era!

1 comentário:

  1. Tudo o que escrevo aqui não deve ser levado à letra; exteriormente continuarei a ser a buuuspectacular, mas interiormente (cá com os meus botões) ainda tenho o direito de questionar, ou não?!

    ResponderEliminar